Desperta Campo Alegre – 29/09/2015 – Cadeirante é desrespeitado em Campo Alegre de Lourdes

CADEIRANTE - CAPA MENOR

Da redação

Queridos ouvintes, Bom dia!!!

Estamos de volta com o programa Desperta Campo Alegre!

Queremos mandar um abraço a você do estado do Piauí, da Bahia, e de todo o Brasil que escuta a Rádio Serra da Capivara através da internet.

De modo especial, o nosso BOM DIA, a você que mora na sede e no interior do município de Campo Alegre de Lourdes.

Hoje você vai ficar sabendo:

Cadeirante de 18 anos sofre humilhação e falta de respeito em Campo Alegre de Lourdes

Meu amigo, minha amiga, aconteceu outra vez:

Mais um caso de desrespeito no serviço da junta militar em Campo Alegre de Lourdes. Desta vez, a vítima foi um jovem cadeirante de 18 anos que não tinha condições físicas e psicológicas de ficar na fila, e teve de superar seu próprio esforço e cuidados do seu pai, para enfrentar o sacrifício de fazer o cadastro para emissão da carteira de identidade.

O caso aconteceu nesta sexta-feira (25) de setembro.

No programa anterior, a gente já tinha citado outra situação de humilhação que aconteceu com a senhora de 98 anos que passou seis meses na espera, e só foi conseguir sua carteira de identidade na cidade de Caracol, no Piauí.

A matéria havia sido publicada na íntegra no Blog do Josué Mariano, no início de agosto. Passado mais de um mês, após a denúncia, a situação parece se agravar na junta militar.

O senhor Jonas Dias Damasceno, morador do povoado Sítio dos Bois (seis quilômetros da sede), nos relatou o fato que aconteceu na última sexta-feira, quando levou o seu filho de 18 anos, que é cadeirante, Rafael Ribeiro Damasceno, para a unidade de serviço da junta militar.

Jonas havia avisado que levaria seu filho naquele dia, para tirar a carteira de identidade. Porém, ele não sabia que tinha de aguardar a distribuição das senhas.

O atendimento na junta militar, para pessoas com necessidades especiais é feito na segunda e sexta-feira.

Ao chegar na unidade, Jonas deixou seu filho no carro, pois estava sem cadeira de rodas, e foi procurar os atendentes.

Depois disso, ele foi informado que era preciso pegar a fila, pois neste dia, o atendimento era igual para todos.

Jonas procurou o responsável pela distribuição das senhas, o senhor Artur Castelo Branco, e explicou que seu filho, além de ser cadeirante, não podia esperar muito, pois o mesmo ficaria muito agitado e se debatendo.

O senhor Jonas falou conosco sobre o atendimento do funcionário Artur.

Vamos ouvir seu depoimento:

Depois disso, ele resolveu procurar a polícia, e somente depois de duas horas, quando já estava na vez do cadeirante Rafael, o atendimento foi efetuado.

Queridos ouvintes, meu amigo, minha amiga!

Até quando essa situação em Campo Alegre de Lourdes?

Por que a prefeitura não melhora o atendimento na junta militar?

Até quando?

Desperta Campo Alegre!

Mais notícias no blogdojosuemariano.com.br

A gente volta na semana que vem nesse mesmo horário, fique ligado!

Um grande abraço!



Jornalista - MTB 10997-DF/ Radialista - DRT-DF 6416 Poeta, escritor, autor do livro de poesias "Explicação Universal" lançado pela editora Scortecci.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *